Por que é difícil para Você dizer Não? Eis o que fazer…

193

Novo aqui?

Olá!
Eu sou Karina.
Torne-se no seu próprio Líder e isso definirá a sua vida para sempre.
A minha missão é fazer com que isso aconteça.

Dizer “não“ é tão difícil, porquê? Como dizer “não“ sem sentimento de culpa? E se disser não, será que ele/a ficará desapontado/a consigo? O que o impede de usar o “não“? Esse também é o seu problema?

Para muitas pessoas é mais fácil dizer não a si mesmo, do que dizer não a outra pessoa, seja essa, um familiar, um parceiro, uma amiga, um chefe, uma colega de trabalho ou ainda mesmo ao seu colaborador. Elas acabam por carregar uma mochila pesada de emoções não resolvidas como a frustração, o desapontamento consigo mesmo, o sentimento de culpa, a tristeza, sentem-se desvalorizadas, além das consequências que resultam do “nim”, que é o desejo de responder Não em vez do Sim. Essa mochila pesada, carregada por anos, afeta a esfera privada e profissional no dia a dia. Todas as pessoas, com que trabalhei, reconheciam que tinham mais desvantagens do que vantagens em não terem dito a palavra “não”.

Então, o que as impediam de mudar?

Assumir a decisão de dizer não pode representar um desafio. O medo de desagradar, de ferir, de não ir ao encontro das expectativas e não ser aceite pelo outro, o que conduz a dizer “sim” e aceitar tarefas e responsabilidades que, à partida, sabe que não lhe seria possível cumprir, ou terá de pagar um preço alto para cumpri-las. O problema que ao repetir esse comportamento de dizer o tal “nim”, criará uma relação habitual com o outro, que terá como garantia um “sim” do que um “não” de si.

Anos atrás, eu tive um cliente, João, que possuía uma microempresa e, na altura, ele estava com muitos problemas com os seus colaboradores por não saber dizer não. Ele via-se num beco sem saída. Com medo dos colaboradores “abandonarem-no”, ele dizia sim, em situações que claramente deveria dizer “não” ou tomar uma atitude em que manifestasse o que pretendia. O uso do “nin” iniciou-se com o trabalhador mais antigo, Luís, que muitas vezes saía mais cedo do que o horário estabelecido do trabalho. Luís tinha sempre algo pessoal para resolver e quando João lhe solicitava a ficar mais tempo, devido a um projeto em curso, ele recusava-se. A empresa foi crescendo, mas João não tinha tempo para ele próprio e nem aos finais de semana descansava, realmente. Para resolver o problema, João contratou mais uma pessoa e Luís passou a ser trabalhador efetivo, considerando que a questão deste fosse a falta de motivação.

Cada pessoa que ele contratava, passado algum tempo, devido ao seu comportamento de dizer “nim”, não cumpria o horário estabelecido, faltava ao trabalho e quem cumpria e era um bom colaborador, abandonava a empresa, porque sentia que o João era injusto e não tinha um posicionamento claro. O sentimento de culpa aumentou quando a ex-mulher pediu-lhe o divórcio, e sua filha de 8 anos passou a viver com ela. Com uma separação, com sérios problemas na empresa (ele também não dizia “não” aos clientes), sentimento de injustiça dos outros em relação a ele, sentimento de revolta, frustração, raiva, ele procurou os meus serviços.

Dizer “não” é tão difícil porque terá o desafio de enfrentar o medo de desagradar, de ferir, de não ir ao encontro das expectativas do outro, de não ser aceite, o que o leva a dizer “sim” e a pagar um alto preço pessoal.

KARINA M. KIMMIG

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Quando trabalhei com o João, houve mudanças relacionadas à sua valorização pessoal, de evitar tomar para si toda a responsabilidade da situação e das relações interpessoais, ouvir mais os seus desejos, bem como desenvolveu a capacidade de ponderar as vantagens e as desvantagens da situação, e, assim, dar uma resposta mais apropriada (ou sim ou não). Ele vivenciou a alteração do seu comportamento ao referir “não”, de forma assertiva, quando necessário justificar o não e este ser aceite, sem causar com isso problemas a quem o recebia. Como é natural, João começou a sentir-se mais respeitado, a criar soluções possíveis quer para ele, quer para os colaboradores (que queriam estar na empresa), deixou de estar em constante stress, irritado, de ser aquele que está “sempre mal disposto”, para ser uma pessoa de “bem com a vida”. Consequentemente, João melhorou a sua comunicação na empresa e com a ex-mulher, e passou a dizer um não e um sim sinceros.

Através do caso deste meu cliente João, pode constatar quantos problemas pode ter na sua vida pelo facto de responder um sim, quando queria dizer um não, e todos os impactos que isso traz.

Para lhe ajudar a estar mais consciente desse processo interno, partilho consigo 4 perguntas para refletir antes de responder a outra pessoa (o seu “nim”)!

Perguntas para Refletir:

1 – Qual é o seu “ponto fraco” que permite ser “usado” pelas outras pessoas?

2 – O que o seu “sim” lhe trará como consequências futuras?

3 – Imagine se estivesse no lugar do seu interlocutor, como se ouviria, sentiria ou veria a si mesmo?

4 – Precisa de tempo para pensar antes de responder? Se sim, diga ao outro isso.

Como dizer Não de forma assertiva?

Pelo teor das perguntas, já compreendeu que uma decisão, ou uma resposta, com algumas exceções, não precisam ser proferidas naquele minuto. Pode refletir como e quando irá responder à pessoa, as implicações que isso terá para si, colocar-se no lugar do outro e entender que um importante “não” para si, não é necessariamente tão significativo para o seu interlocutor.

A partir dessas respostas, formule uma frase assertiva, referindo o que sente, porque diz o “não” e uma proposta possível à situação, ou a pessoa. Por exemplo, numa relação de amigos, poderá dizer que não passará na casa da sua amiga porque se sente cansada e pretende dormir mais cedo, mas, na 6ª feira, poderá estar com ela e tomar um café.

Ao agir de forma assertiva e objetiva, sentirá que respeita a si mesmo, poupará tempo em não protelar em dizer “não”, e, automaticamente, o outro o respeitará, o medo da rejeição desaparecerá, bem como, as pessoas, que se beneficiam do seu “sim”, através de um comportamento manipulador.

Ter um comportamento assertivo é ser coerente na linguagem verbal e não-verbal, é expressar a sua vontade, é propor uma solução sem acusações, agressões verbais ou críticas. Dessa forma, não se desagastará, melhorará os seus relacionamentos, economizará tempo, dirá o que tem de ser dito, estabelecerá os seus limites e eliminará futuros prejuízos.

A história do João é uma, entre de muitas outras de clientes que mudaram a sua vida com a MORE Humanistic Methodology. Está preparado para mudar?


Artigo original publicado em Maio, 2011, na revista Zen.

Você pode gostar...
Previous
Next

Seja uma força para o bem! Prepare-se para aprender extraordinárias dicas e conceitos nesta coleção sobre Comunicação, Social Skills, Relacionamento Interpessoal, Sistema Social e Sustentabilidade↗. Nós, seres humanos, somos criaturas sociáveis, e, por essa razão, a conexão social ajuda-nos a reduzir os efeitos negativos do stress, a aumentar a autoestima, a prolongar a longevidade e nos faz mais felizes. Inspire-se a ir além de si mesmo e torne-se num poderoso agente de mudança pró-social que o mundo precisa!

Seja um Líder Humano! Prepare-se para ganhar novas perspectivas e fortalecer os seus músculos humanísticos, nesta coleção sobre Liderança Consciente, Performance, Estratégias Mentais, Gestão de Tempo & Stress, Humanistic Management↗. O verdadeiro poder de um líder está na sua autoliderança. Do seu “centro interno” partem comportamentos diários e decisões que impactam no comprometimento da sua equipa, na gestão dos recursos, na rota dinâmica da empresa e moldam o futuro da humanidade.

Crie a vida que você ame! Prepare-se para ideias inspiradoras e orientações excecionais nesta coleção sobre Propósito & Qualidade de Vida, Autoconsciência, Valores & Crenças↗. Construir a sua força mental e emocional, cuidar dos seus recursos preciosos, que são tempo e energia, conectar-se com os seus pontos fortes, valores, talentos, as suas ideias originais para expressar o seu Ser, o conduzirão a uma vida mais satisfatória, e consequentemente mais feliz. Você é seu maior ativo!

Seja Único, seja você! Prepare-se para acelerar transformações na sua vida e ter dicas nesta coleção sobre Emoções, Autoconfiança, Autorresponsabilidade, Desenvolvimento Pessoal↗. Ao compreender melhor os seus processos mentais, os seus gatilhos emocionais e ter as técnicas apropriadas para ultrapassar os seus medos, as suas indecisões, a falta de confiança, ou as suas dúvidas, você desperta os seus recursos internos, permite a manifestação da sua essência, para ser o seu próprio líder.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Revista Humanistic Academy

COMO COMEÇAR A

LIDERAR

A SI MESMO?

Faça o download GRATUITO desta revista para aprender estratégias efetivas que lhe fornecerão a clareza e a confiança necessárias para que mudanças incríveis comecem a acontecer na sua vida.

Don’t Be A Stranger…

Just write down some details and our customer success heroes will get back to you in a jiffy!

Contact Info